ENQUETES

Se as eleições em MT fossem hoje, em quem você votaria para governador?

PUBLICIDADE

Judiciário / DANO MORAL
11.08.2017 | 10h01
Tamanho do texto A- A+

Justiça investiga morador de MT que ofendeu Moro na internet

Internauta teria praticado calúnia e difamação contra juiz; caso vai tramitar em Mato Grosso

MidiaNews

Clique para ampliar

O juiz Sérgio Moro, alvo de comentários ofensivos de internauta de MT

LUCAS RODRIGUES
DA REDAÇÃO

O juiz federal João Moreira Pessoa de Azambuja remeteu para a 5ª Vara Federal de Cuiabá o inquérito que visa investigar um internauta mato-grossense que teria cometido os crimes de calúnia e difamação contra o juiz Sérgio Moro, de Curitiba (PR), responsável pela condução das ações da Operação Lava Jato.

 

A determinação foi tomada na quarta-feira (09). O inquérito ficará sob a responsabilidade do juiz Jeferson Schneider, titular da 5ª Vara.

 

Conforme as investigações, as ofensas ocorreram via internet no dia 15 de abril de 2015, na caixa de comentários do site G1.

 

Os alegados crimes ocorreram em um comentário publicado na matéria “Tesoureiro do PT é preso em casa na nova etapa da Operação Lava Jato”, reportagem que noticiava a determinação de Moro para prender João Vaccari Neto, suspeito de receber propina na Petrobras.

Retornando este inquérito policial da Justiça Federal, deverá ser imediatamente encaminhado ao juízo da 5ª Vara para a restauração da movimentação processual

 

Um internauta, que comentou na matéria com o nome de José Arruda, postou “mensagens ofensivas” à honra do juiz Sérgio Moro e dos delegados da PF que participaram da operação, insinuando que o magistrado recebeu “malas de dinheiro” para tomar tal decisão.

 

Conforme apurou o MidiaNews, o comentário foi posteriormente apagado, porém outros internautas rebateram as ofensas e adiantaram que denunciariam “José Arruda” à Justiça (veja abaixo).

 

A Polícia Federal, por meio de quebra de sigilo de dados, identificou que o telefone e e-mail informado pelo usuário "José Arruda" pertencia, na verdade, “a Edesio da Silva Evangelista, que residiria em Cuiabá/MT”.

 

Todavia, pelo endereço IP - que identifica o dispositivo -, consta que o usuário que assinou como “José Arruda” seria o mato-grossense Pablo Vinícius de Andrade, que moraria em Campo Verde (137 km de Cuiabá).

 

Assim, como as investigações indicam que o autor da ofensa reside no Estado, as investigações foram remetidas de Curitiba para a Justiça Federal em Mato Grosso.

 

“Desse modo, retornando este inquérito policial da Justiça Federal deverá ser imediatamente encaminhado ao juízo da 5ª Vara para a restauração da movimentação processual, a fim de se evitar nova distribuição para este juízo, o que acarretaria o recebimento de uma nova numeração, diversa da já existente”, diz trecho da decisão. 

 

A pena para o crime de calúnia varia de seis meses a dois anos, e multa. Já a difamação pode gerar condenação de três meses a um ano, e multa.

 

Veja os comentários de leitores contra o post ofensivo ao juiz:

 

print jose arruda fensa a sergio moro

 




Clique aqui e faça seu comentário


3 Comentário(s).

COMENTE
Nome:
E-Mail:
Dados opcionais:
Comentário:
Marque "Não sou um robô:"
ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do MidiaNews. Comentários ofensivos, que violem a lei ou o direito de terceiros, serão vetados pelo moderador.

FECHAR

Luiz  11.08.17 11h47
Amigos...isso é muito ridículo! Levar a sério ofensa de comentário de noticia em internet é muita falta do que fazer. Acumular a justiça com uma coisa desses é falta de noção. Se virar moda, já pensou o Temer, Aécio, Dilma, Lula e todos os políticos acionarem as pessoas? Pois, por mais que sejam criminosos, a prova exige formalização... Decepção com o juiz de Curitiba.
58
53
Arilson Barbosa  11.08.17 11h35
Interessante notar que a decisão do Moro, que sentenciara Vaccari a 15 anos de reclusão, não foi corroborada pela 8ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região. A maioria dos desembargadores concluiu que o tesoureiro petista foi condenado com base, apenas, em delações, mas sem qualquer prova material.
79
71
clarice  11.08.17 10h28
Se todos obedecem um mandamento de Deus, o oitavo: "não levantar falso testemunho", a consequência seria um país mais igualitário, não teria corrupção e seria bom porque cada pessoa responderia por seus atos.
80
17

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

1999-2017 MidiaNews - Credibilidade em Tempo Real - Tel.: (65) 3027-5770 - Todos os direitos reservados