ENQUETES

Como você vai gastar seu 13º salário?

PUBLICIDADE

Política / EXONERAÇÕES
12.10.2017 | 09h40
Tamanho do texto A- A+

Prefeito afirma que não enviará nova suplementação à Câmara

Emanuel diz que somente pensará em novas medidas após dialogar com poderes e instituições

Alair Ribeiro/MidiaNews

Clique para ampliar

O prefeito Emanuel Pinheiro diz que planeja destravar impasse sobre suplementação

VINÍCIUS LEMOS
DA REDAÇÃO

O prefeito Emanuel Pinheiro (PMDB), afirmou, na quarta-feira (11), que não enviará nenhum novo projeto de suplementação à Câmara Municipal de Cuiabá.

 

Ele declarou que somente analisará a possibilidade de um novo repasse ao Legislativo após a Justiça decidir sobre a suplementação de R$ 6,7 milhões, que foi suspensa por suspeita de ilegalidade.

 

Na tarde de terça-feira (10), foram publicadas as exonerações de 460 servidores do Legislativo cuiabano. O presidente Justino Malheiros (PV) afirmou que a decisão ocorreu em razão de o Executivo não ter feito a suplementação à Casa, em razão da suspensão judicial do repasse da Prefeitura.

 

Malheiros disse que a Casa opera com dificuldades e não restou outra alternativa que não fosse as exonerações. Segundo ele, a suplementação seria fundamental para manter o bom funcionamento do Poder e os servidores.

 

Apesar das exonerações, Emanuel Pinheiro afirmou que não irá encaminhar um novo projeto de suplementação orçamentária ao Legislativo.

 

“Por ora, nem pensar [em uma nova suplementação]. Até porque já há um decreto sendo questionado. Então, como vou apresentar outro? Poderia parecer desrespeito a uma decisão judicial ou tentativa de estar burlando uma decisão, o que não farei, em hipótese alguma”, declarou.

 

“Como eu disse, decisão não se discute, se cumpre. Então, não há mínima possibilidade de apresentar novo decreto, ao menos no momento”, completou.

 

Por ora, nem pensar [em uma nova suplementação]. Até porque já há um decreto sendo questionado. Então, como vou apresentar outro?

Segundo o peemedebista, o Executivo tem se reunido com representantes do Tribunal de Contas, Tribunal de Justiça e Ministério Público, para tentar viabilizar a possibilidade de fazer o repasse à Casa.

 

“Estamos articulando com as instituições e com os poderes, mas vamos respeitar a decisão liminar do Poder Judiciário. Vamos continuar dialogando com a Câmara”, disse.

 

Ele assegurou ter certeza de que a suplementação de R$ 6,7 milhões foi feita dentro das normas técnicas, com base na Lei de Responsabilidade Fiscal e sem nenhuma ilegalidade.

 

“Mas, houve um entendimento prévio liminar contrário e vamos respeitar, até que possamos reverter essa decisão”, frisou.

 

Conforme Emanual Pinheiro, a Prefeitura de Cuiabá deve entrar com recurso para tentar liberar a suplementação.

 

“A Prefeitura vai entrar [com recurso], claro. Na Justiça, vamos defender a legalidade do decreto, assim como a boa fé dele. Mas a decisão cabe à Justiça. Estamos recorrendo, pois está dentro do prazo. O que a Justiça decidir será devidamente respeitado”, afirmou.

 

O prefeito observou que não há prazo para que uma nova suplementação ou a atual, caso a Justiça libere, seja encaminhada à Câmara da Capital.

 

“Vamos buscar alternativas com esses poderes e instituições para solucionar essa questão. No que depender de mim, como prefeito, podem contar comigo. Dentro dos limites da Lei, estarei disposto a ajudar”, declarou.

 

“Eu sou o maior interessado em que tudo se esclareça, mostrando a nossa boa fé e a seriedade sobre esse e todos os outros assuntos que dizem respeito à gestão pública municipal”, acrescentou.

 

O peemedebista afirmou que, apesar do impasse, o valor ainda será repassado ao Legislativo, quando encerrar o imbróglio judicial.

 

“Mas, enquanto a Justiça não tiver uma palavra definitiva ou nova articulação envolvendo MPE, TCE, a Justiça e o Município, não vejo alternativa. Mas vamos continuar procurando, porque a Câmara não pode viver nesse impasse”, comentou.

 

“Somos solidários aos vereadores e à Câmara Municipal e vamos trabalhar para que esse impasse seja solucionado”, completou

 

Somos solidários aos vereadores e à Câmara Municipal e vamos trabalhar para que esse impasse seja solucionado

Entenda o caso

 

O repasse de R$ 6,7 milhões ocorreu dois dias após a oposição apresentar um requerimento propondo uma Comissão Parlamentar de Inquérito para investigar o prefeito, um dos deputados da legislatura passada flagrados recebendo dinheiro do ex-governador Silval Barbosa (PMDB).

 

Os recursos repassados à Câmara seriam remanejados do gabinete da Vice-Prefeitura, comandada por Niuan Ribeiro (PTB).

 

Também da Secretaria Municipal de Assistência Social. Nesta Pasta, o dinheiro deveria ser repassado ao Fundo Municipal de Apoio ao Deficiente e ao Fundo Municipal de Geração de Emprego e Renda.

 

Outras Pastas afetadas seriam as secretarias municipais de Planejamento, de Habitação, Ordem Pública e, por fim, recursos sob a supervisão da Secretaria de Gestão.

 

 

A suplementação, porém, foi considerada ilegal pela Justiça e teve de ser suspensa.

 




Clique aqui e faça seu comentário


12 Comentário(s).

COMENTE
Nome:
E-Mail:
Dados opcionais:
Comentário:
Marque "Não sou um robô:"
ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do MidiaNews. Comentários ofensivos, que violem a lei ou o direito de terceiros, serão vetados pelo moderador.

FECHAR

Eurides Maximiano de jesus  14.10.17 08h33
Não temos motivo nenhum para culpar os 7 Vereadores que assinaram o pedido de CPI, pois os mesmos queriam e querem apenas o esclarecimento dos fatos.
1
0
JOSE  13.10.17 18h32
O que me deixa muito triste e saber que pessoas só estão pensando em economia de recursos que está certo o que o Wellaton fez dizendo que tem que demitir mesmo. E em momento algum pensam nas famílias destes ex servidores como vão fazer para pagar suas contas como vão colocar refeições na mesa de sua família como está o psicológico destes. E ainda ouvindo ofensas de pessoas que se julgam melhor que os outros. É uma pena mesmo quanta maldade em seus corações isso é se tem coração. Peço a Deus que coloque compaixão em quem deseja mal aos outros e peço a Deus também para que olhem e proteja os servidores demitidos e tranquilize seus corações.
0
0
JOSE  13.10.17 18h18
O que me deixa muito triste e saber que pessoas só estão pensando em economia de recursos que está certo o que o Wellaton fez dizendo que tem que demitir mesmo. E em momento algum pensam nas famílias destes ex servidores como vão fazer para pagar suas contas como vão colocar refeições na mesa de sua família como está o psicológico destes. E ainda ouvindo ofensas de pessoas que se julgam melhor que os outros. É uma pena mesmo quanta maldade em seus corações isso é se tem coração. Peço a Deus que coloque compaixão em quem deseja mal aos outros e peço a Deus também para que olhem e proteja os servidores demitidos e tranquilize seus corações.
0
1
marcelo  13.10.17 08h52
Foi a coisa mais acertada do Emanuel.
11
3
Eliane Rocha  12.10.17 20h03
Estão colhendo o q plantaram .... É o preço.!!Queriam agir contra o prefeito com as próprias mãos dando força ao judiciário tomar providências precipitada . Taí o aconteceu! Acha q ia sobrar ,é q os magistrados iriam ficar do lado do povo . Hamham esperam . Espero q sirva de exemplo.
4
2

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

1999-2017 MidiaNews - Credibilidade em Tempo Real - Tel.: (65) 3027-5770 - Todos os direitos reservados